Mafalda sempre foi contra o Sopa

Uma das grandes transformações que a internet provoca na política é o fato dela balançar (ainda mais) as fronteiras dos países. De repente, com grande parte da produção simbólica do mundo interconectada por uma rede que transpassa diversas nações, decisões políticas tomadas em um país passam a ter o potencial de influenciar  *muito* o dia a dia das pessoas que estão em outros países. E não é só de economia que eu estou falando. É de cultura, de conversa, de educação, de divertimento, de capacidade de mobilização… Acho mais importante e mais grave.

Nós pensamos, criamos, mostramos, articulamos boa parte de nossa produção cultural pela internet. A cultura digital é diferente da cultura que vem da indústria, porque essa a gente pode fazer e não apenas consumir. Você pode até não curtir, mas eu acho absolutamente genial que, quando a cultura de massa nos dá um Michel Teló, nós hoje podemos devolver Teló em inglês, holandês, francês e em modelo Darth Vader. Costumo dizer que este é um tempo sensacional pra se viver :)

Mas, como disse um cara que já caiu em domínio público, esse “é o melhor dos tempos e pior dos tempos. É a era da sabedoria e a era da tolice”. Tem gente que acha que não, que os potenciais de remixar, deturpar e reinventar cultura que o digital nos garante não são tão legais assim.

Nos EUA, estão tentando aprovar o SOPA – Stop Online Piracy Act, ou Lei de Combate à Pirataria Online. Um artigo da Wikipedia em português (valeu, Internet!) explica:

O projeto de lei amplia os meios legais para que detentores de direitos de autor possam combater o tráfico online de propriedade protegida e de artigos falsificados.O projeto tem sido objeto de discussão entre seus defensores e opositores. Seus proponentes afirmam que proteger o mercado de propriedade intelectual e sua indústria leva a geração de receita e empregos, além de ser um apoio necessário nos casos de sites estrangeiros. Seus oponentes alegam que é uma violação à Primeira Emenda [da Constituição dos EUA], além de uma forma de censura e irá prejudicar a Internet, ameaçando delatores e a liberdade de expressão.

Para entender exatamente como o projeto funcionaria se fosse aprovado, vale assistir esse vídeo (sério: se você ama a internet, dê cinco minutos do seu dia hoje pra assistir isso):

 

 

Nós aqui na Esfera somos contra o SOPA porque temos todo o direito de ser – como cidadãos de um mundo interconectado, onde as decisões do Congresso norte-americano afetam diretamente nossa vida e nossa principal forma de agir no mundo. Trabalhamos todos os dias para que a nossa participação em processos políticos que culminam na possível aprovação de regulamentações como essa – boas para o mercado, arriscadíssimas para as pessoas (no Brasil também temos dessas, aos montes) – seja ampliada pela transparência e por novas formas de atuação que podem emergir da própria rede, contanto que ela continue funcionando exatamente como está. Bom que nós podemos todos mandar uma mensagem pro mundo falando disso. Pelo menos por enquanto…

(PS: Esse post tem uma imagem e pelo menos 5 links de pirataria que poderiam nos render um processo nos termos do SOPA).

Comente!
















Trackbacks